_DSC4545 _DSC4549 _DSC4568

Tacacá é uma iguaria da região amazônica brasileira, é preparado com um caldo fino feito de ervas e principalmente, um caldo amarelado, chamado tucupi.
Coloca-se esse caldo por cima da goma de tapioca, também servida com camarão seco e jambu.

Eram 19 horas eu e Regina uma das minhas anfitriãs da cidade nos encontramos para ir pedalando, a noite estava fresca. Chegamos ao quiosque TACACÁ DA AMAZÔNIA, um negro alto de voz determinada nos cumprimenta, pergunto se ele era o amigo de Eudezio de Médici, um ciclista muito gente fina que conheci na jornada até Porto Velho. Camarada me indicara e oferecerá um tacaca na banca do velho conhecido.

Miguel do Tacacá,sorriu e disse pra irmos se acomodando, seu quiosque cheio de fotos do trem, dois retratos pai e mãe, compõem o acervo de memória que produziu dentro do próprio ambiente de trabalho. Falante nos conta muitas histórias, nasceu no Rio mas se considera Rondoniense, “Vim com ano sabe? Sou beradeiro”

O sotaque e a malandragem no falar ele levou junto mesmo com pouco tempo no Rio. De primeiro impacto Miguel me parece um bom vivã, já rodou o Brasil viajando de moto e bicicleta, é historiador e servidor publico na cidade.

Sua origem é dos indígenas paraenses e, segundo Câmara Cascudo, deriva de um tipo de sopa indígena denominada mani poi. Câmara Cascudo diz que “Esse mani poí fez nascer os atuais tacacá, com caldo de peixe ou carne, alho, pimenta, sal, às vezes camarões secos”.

Segundo Miguel o caldo tem poderes, o jambu leva a uma leve alteração nos sentidos e dormência na boca, muito nutritivo e revigorante. Eu gostei mas é uma experiência gastronômica sensorial forte! Gostei muito do Miguel pois ele mostra que para resgatar valores e cultura não precisa de muito. Além de levar quitutes delicioso Miguel divulga a cultura de Rondônia e de nossos ancestrais.

VISITE A AMAZÔNIA

www.projetotransite.com.br

Obrigado Eudézio, Miguel e Regina da Arigóca pelo passeio incrível